Anuncie conosco

Anuncie conosco

Resenha | Nosferatu Joe Hill



Nosferatu





Nosferatu
Autor: Joe Hill
ISBN-10: 8580412978
Ano: 2014
Páginas: 624
Idioma: português
Editora: Arqueiro
Sinopse:
Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem.
Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor.
E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... E acaba encontrando Charlie.
Perturbador, fascinante e repleto de reviravoltas carregadas de emoção, a obra-prima fantasmagórica e cruelmente brincalhona de Hill é uma viagem alucinante ao mundo do terror.


Uma história contada em terceira pessoa, que ora foca em Victoria MacQueen, ou pirralha, uma jovem com um misterioso dom de chegar de bicicleta aos mais diversos lugares, ora em Charles Manx um psicopata com  dom semelhante ao de Victoria e criador da eterna Terra do Natal.

Sem dúvida alguma um ótimo título do gênero terror, meu primeiro contato com o autor não poderia ter se dado melhor. Uma trama inusitada, inigualável eu diria, Nosferatu com suas mais de 600 páginas é prato cheio para os amantes de um bom terror.

Aqui vemos que os dons de Victoria e Charles os possibilitam levar coisas e pessoas para um mundo criado por cada um. Charles convence inúmeras crianças que ele acredita serem maltratadas pelos pais, a irem em seu Rolls Royce para a sua amada terra do natal, o que não passa de uma "desculpa" para seu tom pedófilo. Enquanto Victoria em sua bicicleta consegue encontrar coisas necessárias.

“... gostaria que houvesse alguém com quem pudesse conversar para lhe dizer que ela estava bem, que não era louca. Queria encontrar alguém capaz de explicar, de dar sentido a uma ponte que só existia quando era necessária e que sempre a levava para onde ela precisava ir.”
É isso aí. A tal “ponte” a levava onde “precisava” ir e não onde ela “queria” ir. A diferença é grande, consegui até ouvir a célebre frase dita por Mick Jagger, líder dos Stones: “Nem sempre você pode ter o que quer. Mas, se você tentar, pode conseguir o que precisa”.

O encontro entre ambos se dá e finalmente a crescente tensão da história chega ao seu ápice.A Pirralha consegue um feito inédito, ela é a primeira a conseguir escapar de Charlie. Mas Charlie quer vingança e mesmo depois de muito tempo ele ainda não esqueceu e vai vir atrás de algo muito especial para Vic.

É claro que ele iria voltar... quem quer que O Espectro fosse. Não teria deixado o carro ligado se não fosse voltar e, quando chegasse, ela precisava ter ido embora."
A ambientação da história e a forma como o autor vai destrinchando os personagens só enriquecem uma trama que só pelo plot já é muito boa, Joe Hill tem uma escrita detalhista e instigante, cada detalhe é imprescindível para o desenvolvimento da trama que é muito bem intrincada. Nem mesmo os personagens secundários estão na trama para encher linguiça, tudo tem um encaixe perfeito. Como eu disse não poderia ter iniciado meu contato com o autor de maneira melhor.

Com grandes vai e vens temporais Nosferatu é uma obra que realmente aguça a curiosidade do leitor, ainda mais com a presença de um antagonista medonho que sem dúvida alguma em algum momento vai te arrepiar os pelos da nuca. A  leitura não tem um ritmo acelerado, pelo contrário, mas o ritmo menos acelerado é só um elemento o qual torna a leitura ainda mais cativante, além é claro das inúmeras cenas de ação e reviravoltas que permeiam a obra. Nosferatu é uma obra para ser degustada em seus mínimos detalhes, sem pressa.
Recomendo!
XoXo!

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.